Grupo Iluminura no Encontro de pesquisa em música da UFPel

Com alegria divulgo aqui no blog meu projeto mais recente, onde atuo como percussionista junto a colegas de trabalho: trata-se do grupo Iluminura.  A partir deste ano (2016), uma série de apresentações estão agendada para este novo projeto. Nesta primeira apresentação do grupo Iluminura, o repertório escolhido foram temas musicais contidos em peças do escritor W. Shakespeare.

O grupo musical:

O Grupo foi criado no final de 2015 com o propósito de ser um espaço para o desenvolvimento de estudos musicais, cujo foco é o repertório de música de câmara. O repertório atual (música em William Shakespeare) foi construído a partir de pesquisas, teóricas e práticas, proporcionando diferentes abordagens, discussões e construções interpretativas que culminam em práticas artísticas singulares. O grupo é composto pelos professores da UFPel: Daniela Moreira (canto), João Alexandre Straub Gomes (alaúde e violão), Marcelo Borba (percussão) e Werner Ewald (flautas). A instrumentação é rica em variedade sonora, com instrumentos melódicos, harmônicos e rítmicos, proporciona a realização de um vasto repertório que incluiu canções, bem como peças instrumentais.

Esta apresentação aconteceu através de um convite enviado pela equipe organizadora do evento “I  Encontro de Pesquisa do Bacharelado em Música da UFPel (EPBMU )“.

Sobre o EPBMU:

A proposta do encontro foi construir um panorama do que está sendo feito em termos de pesquisa dentro dos curso de Bacharelado em música da UFPEL, dando visibilidade a esta produção e contribuindo para fomentar o interesse pelo tema.

Grupo Iluminura
Grupo Iluminura

Neste mesmo evento apresentei meu trabalho de pesquisa “CRIAÇÃO MUSICAL NO BACHARELADO EM MÚSICA POPULAR DA UFPEL“. Segue o resumo:

O presente trabalho tem o objetivo de problematizar a criação musical no Curso de bacharelado em música popular da Universidade Federal de Pelotas. A partir da perspectiva das filosofias da diferença propõe-se algumas análises sobre práticas criativas sugeridas no Projeto Pedagógico do curso e em disciplinas curriculares como Prática de Conjunto. A criação musical é colocada em um campo problemático para que se possa viabilizar um pensamento da multiplicidade. Para melhor entender os movimentos criativos dentro do curso de música utiliza-se do método cartográfico para mapear os planos extensivos – com as paradas de aprendizagem – e intensivos – os estados outros do corpo, que eu nomeio e que se dão em uma dada experiência. Autores como Murray Schafer, Carlos Stasi e Gilles Deleuze colaboram para o desenvolvimento de uma interlocução do pesquisador com seu local de atuação profissional enquanto docente do referido curso. O estudo torna-se relevante pela possibilidade de se compreender algumas singularidades que permeiam o cotidiano educacional no ensino superior de música no lócus de trabalho do pesquisador. Palavras-chave: Ensino superior de música, criação musical, cartografia.

Apresentação do trabalho. Marcelo Borba
Exposição oral de Marcelo Borba

OUTRAS APRESENTAÇÕES

Grande abraço

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *