Carlos Kater na UFPel-RS

Entre os dias 31 de outubro a 4 de novembro de 2016 aconteceu  a I Semana Acadêmica Integrada dos Cursos de Música da UFPEL. O evento contou com a participação de vários músicos e educadores musicais do RS e Brasil.  No dia 02 de novembro tive o privilégio de assistir a palestra do Prof. Dr. Carlos Kater no Centro de Artes da UFPEL – Bloco 2, Pelotas – RS

Quem é:

Carlos E. Kater é educador, musicólogo e compositor, estudou composição na ECA/USP (Escola de Comunicação e Artes/Universidade de São Paulo). É Doutor pela Universidade de Paris IV – Sorbonne (1981, bolsa FAPESP), com Pós-Doutorado pela mesma instituição (1987, bolsa CNPq) e Professor Titular em concurso nacional público pela Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais (1991, com menção).

Prof. Carlos Kater
Prof. Carlos Kater

Segue um pequeno trecho transcrito da palestra

TRECHO 1 : Sobre o movimento musica viva que ocorreu no Brasil de 1939 e 1950, liderado por vários músicos e pensadores da arte como o musicólogo e compositor Koellreutter.  O movimento foi concentrado em 3 eixos de ação.

  1. Divulgação: Interpretação, edição de boletins e partituras, programas de rádio, entrevistas, etc.
  2. Formação: atividades educativas, cursos, palestras, etc. Dirigidas a publico amplo.
  3. Criação: Composição através de cursos, visando sobre tudo construir uma escola de jovens compositores, representando a “nova música Brasileira”.

Sobre os manifestos MUSICA VIVA

[…] mais os manifestos do musica viva são por assim dizer denunciativos, mas eles são altamente propositivos. Eles são o reflexo claro de uma prática efetiva e não apenas de idéias a respeito de…

O grupo musica viva surge como uma porta que se abre a produção musical contemporânea, participando ativamente para evolução de um espírito [musical]. Isso a gente tem que entender como eu vou pontuar no final dessa minha fala … isso não é apenas uma forma de falar “ativamente para evolução do espírito” …tem um significado por trás disso muito claro. A obra musical como a mais elevada organização do pensamento e sentimentos humanos, como a mais grandiosa encarnação da vida, está em primeiro plano no trabalho artístico do Grupo Música Viva

TRECHO 2:

O que é o novo hoje? Porque no fundo é isso que temos que nos perguntar. Não excluindo o que foi o novo de épocas passadas, mas o que é o novo de cada instante. E eu só tenho como perceber o que é o novo hoje, se de alguma maneira, tiver um pouco de coragem para ver, enxergar, escutar o que a minha época diz.

Mas não apenas coragem, eu preciso de muita observação. Eu preciso poder observar. Coragem com sensibilidade, com inteligência e curiosidade. Eu tenho que ser curioso, tenho que saber o que é essa minha época, quem sou eu? que eu é esse?

Não acredite em você mas apenas acredite em você. Quem é esse você? Esse você é um outro, eu sou um outro. E que outro que sou eu?

Eu sou algo, eu sou uma essência? Eu sou uma parte de mim que foi recoberta ao longo de toda a minha formação pela educação, por papais, por mamães, por irmãos e irmãs mais novos, por amigos pelos professores, pelas professoras, pelas escolas, pelas culturas, por tudo que se depositou em cima de mim. E num dado momento da vida eu sou tudo isso, eu sou um ego, uma personalidade. Mas também num dado momento da vida a gente tem que saber se descobrir, e a ideia de descobrir não é apenas se reinventar. Isso talvez sim, mas eu prefiro o descobrir no sentido de retirar cada uma dessas camadas que foram se projetando sobre nosso ser interior, sobre a nossa essência, sobre isso que a gente tem de mais puro. Isso que a gente tem de mais inquieto que de certa forma pode representar se quiser, sem entrar em nenhuma religião por favor, mas como uma centelha divina. Para que não tenhamos a presunção de achar que nós somos nós… nós somos manifestações particulares de uma vida altamente mais complexa que a gente nunca consegue aceder. E essa vida mais complexa que não tem filtro, essa inteligência maior, que é a constrói todo o viver, que constrói todo o cosmos, que muitas vezes a gente não vai além das 2 dimensões quando a gente olha o azul ou as nuvens no céu e a gente não consegue perceber que isso é o infinito.

Site do evento: https://semanaacademicadamusicaufpel.blogspot.com.br/

Página de Carlos Kater: http://carloskater.com/

Abço

Deixe um comentário