O TAMBORIM – PERCUSSÃO BRASILEIRA

O Tamborim

A palavra tamborim surge como diminutivo de tambor ou tamborete. Este instrumento é formado por um pequeno aro de madeira ou metal (originalmente de madeira), com cerca de 6 polegadas de diâmetro. O Tamborim pode ter pele de nylon ou couro  esticada sobre um dos lados. Ele é tocado com uma baqueta de madeira semelhante às de caixa-clara. O dedo indicador ou qualquer outro dedo da mão que segura o instrumento também percute a pele, por baixo, produzindo notas que completam o fraseado do samba.

As diferentes maneiras de segurar o tamborim.
As diferentes maneiras de segurar o tamborim.

Difundido em todo o Brasil como instrumento característico do samba, o tamborim é muito utilizado em conjuntos populares de samba e requisito indispensável nas escolas de samba. A partir da década de 70 tem sido usado com um tipo de vareta múltipla como uma forma de aumentar a intensidade das batidas.

A pele é muito esticada, produzindo um som bastante agudo. Sua técnica de execução inclui, além do uso de baquetas, movimentos parcialmente rotatórios de pulso (fazendo o instrumento chocar-se contra a baqueta) e rápidos abafamentos realizados no fundo da pele pelos dedos da mão que segura o instrumento.

Alguns dos percussionistas que se destacaram no instrumento foram Mestre Marçal, Luna e Eliseu.

Saiba um pouco mais:

ELIZEU FÉLIX:

Natural do Andaraí, bairro da zona norte do Rio de Janeiro, Elizeu Félix começou a tocar pandeiro ainda menino. Na adolescência já integrava a orquestra da Rádio Clube do Brasil, onde conheceu Luna e Marçal, que viriam seus parceiros no trio de percussão que se fez presente em toda gravação de discos durante décadas. Os três tornaram-se figuras míticas para os admiradores do samba, na fase áurea do disco no Brasil. Difícil é encontrar uma gravação, entre os anos 50 e 80, sem a presença de pelo menos um deles.
Foi de tal importância a criatividade percussiva do trio que até os dias de hoje, são referencial para as novas gerações de percussionistas. Aos ouvidos dos conhecedores e admiradores de samba, é impossível passar desapercebidas as batidas inconfundíveis de seus tamborins. Se entendiam pelo olhar e um sabia exatamente o que o outro ia fazer. Cada um fazia no tamborim uma batida diferente que, juntas, produziam um efeito realmente impressionante. Não tinha pra mais ninguém.
O trio deixou sua marca registrada em discos de ícones da música brasileira como Clara Nunes, Roberto Ribeiro, Beth Carvalho, Alcione, João Bosco, Paulinho da Viola, Chico Buarque, para citar alguns. Elizeu participou de várias caravanas que viajaram pelo mundo com a missão de mostrar a música brasileira, acompanhando Humberto Teixeira, Ary Barroso e outros. (fonte: personalsamba.com.br/ ).

MESTRE MARÇAL:

Nilton Delfino Marçal, mais conhecido como Mestre Marçal, (Rio de Janeiro, 1930 — Rio de Janeiro, 9 de abril de 1994) foi um diretor de bateria e cantor brasileiro. Durante muitos anos foi diretor de bateria da GRES Portela. Após esse período, Marçal fez trabalhos como cantor, mas sem deixar o Carnaval de lado. Alguns de seus discos tinham a temática das Escolas de Samba, como A Incrível Bateria de Mestre Marçal, e seu último trabalho, Sambas-Enredo de Todos os Tempos.

Ouça alguns discos do MESTRE MARÇAL nesta outra publicação do blog: marceloborba.com/mestre-marcal-cidadao-samba/

Ouça também o lendário trio de percussionistas Marçal, Luna e Eliseu no disco do Luiz Carlos da Vila (1949-2008). Este disco foi gravado em meados de 1990, produzido pelo japonês Katsunori Tanaka. Gravado em 16 canais analógicos no estúdio da Odeon, “Raças Brasil” é um disco lançado originalmente pelo selo Rob Digital, depois de mais de uma década tornou-se item de colecionador.

Obras consultadas para esta publicação:

BOLÃO, Oscar. Batuque é um privilégio. Irmãos Vitale, 2003.

FRUNGILLO, Mário D. Dicionário de percussão. UNESP, 2003.

Publicações acadêmicas de referência:

Dissertação de mestrado: O USO DO TAMBORIM POR MESTRE MARÇAL: LEGADO E ESTUDO INTERPRETATIVO. Autor: Vinícius de Camargo Barros.:

Para baixar a dissertação acesse: speakerdeck.com/o-uso-do-tamborim

LEVADAS DE TAMBORIM

Transcrevi para partitura algumas levadas típicas de tamborim. No livro “Batuque é um privilégio” do baterista e percussionista Oscar Bolão encontrei alguns dos exemplos transcritos.

 

Levadas de tamborim.
Levadas de tamborim.

Quer fazer download das levadas de Tamborim em PDF? Acesse as PARTITURAS aqui.

Como praticar:

Utilize a base do samba (áudio) que disponibilizei abaixo para praticar as levadas de tamborim descritas na imagem.

 

Grande abraço.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *