Ritmos Brasileiros: Baião

“Eu vou mostrar pra vocês

Como se dança o baião

E quem quiser aprender

É favor prestar atenção”

Baião (L.  Gonzaga  e H. Teixeira)

O objetivo desta publicação é apontar algumas referências importantes para o gênero musical Baião, seus principais compositores e instrumentos. Ao longo do texto sugiro autores e cancioneiros para quem se interessar em saber mais. Espero que o texto possa servir como guia inicial de pesquisa.

Em outras oportunidades publicarei aqui no blog algo sobre xaxado, embolada e cirandas. Manifestações que também fazem parte do universo artístico nordestino e que, assim como Baião, mesclam música e dança.

A produção cultural do Nordeste Brasileiro sempre foi muito rica e diversificada. É inegável a importância da obra de Ariano Suassuna, Jackson do Pandeiro, Carmélia Alves, Patativa do Assaré, Lampião, João Cabral de Melo Neto para a cultura Brasileira. Além disso, temos o artesanato em renda, os cordéis, trabalhos em cerâmica, couro, e outros elementos produzidos a partir dos recursos naturais desta localidade.

O Baião

Câmara Cascudo em Dicionário do folclore Brasileiro diz que o Baião é “uma dança popular muito preferida durante o século XIX. A partir de 1946 o grande sanfoneiro pernambucano Luiz Gonzaga divulgou pelas estações de rádio do Rio de Janeiro o baião, modificando-o com a inconsciente influência local dos sambas e das congas cubanas.” O baião conserva células rítmicas e melódicas do côco e apresenta unidade rítmica binária.

É possível experimentar o baião nas festas populares e forrós pé-de-serra das cidades nordestinas. O gênero Baião está presente na música de compositores como Luiz Gonzaga, Sivuca e Dominguinhos. Por meio de suas canções, os compositores colaboraram para a divulgação dos costumes e das paisagens nordestinas em outras regiões do Brasil.

A sonoridade do Baião foi sendo construída ao longo dos anos 40. De Baiano para Bailar, de Bailar para Baiar, e chegamos então no Baião. Os historiadores são unânimes em reconhecer que a popularização da seção musical do Baião ganhou força a partir das composições de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Outras influências também foram fundamentais para estabelecer a estética musical do Baião. Cascudo fala sobre a influência do samba, dos boleros (muito comuns na década de 30 e 40) e da musica latina de forma geral. O Baião incorpora elementos africanos, em especial o Lundu na sua dança e música.

Baião
Instrumentos típicos do Baião

Em O Grande livro do Folclore, Carlos Felipe diz que “o baião teve em Luiz Gonzaga, Zé Dantas e Humberto Teixeira seus grandes divulgadores, a partir da década de 40, quando o ritmo alcançou sucesso nacional. Em sua origem, o ritmo, cujo nome vem de bailar, tem alguns passos marcantes, como o balanceio, o passo de calcanhar, o passo de joelhos e o rodopio, seus instrumentos mais comuns são o agogô, o triângulo, a zabumba, o xiquexique e a sanfona.

É importante citar a cantora Carmélia Alves, conhecida como Rainha do Baião. A cantora fez parte dos musicais de rádio da década de 50 e, mais tarde, integrou o grupo “Cantoras do Rádio”. Carmélia faleceu em 2012 com 89 anos.

O Baião na produção atual:

O Baião ainda é um gênero bastante empregado na música popular contemporânea. Para encontrar outras referências, sugiro que busque por grupos como Cordel do fogo encantado, Nação Zumbi e Mundo Livre S/A. Chico Science, Otto e Lenine são outras ótimas referências.

Discos para ouvir online:

Lenine e Marcos Suzano – Olho de Peixe [[LINK]]

Otto – Sem Gravidade [[LINK]]

Nação-Zumbi: Fome de tudo [[LINK]]

Instrumentos típicos do Baião:

É bastante comum encontrar grupos de forró no formato de trio – três instrumentistas (zabumba triângulo e Sanfona).  Optei por incluir ainda o agogô na descrição instrumental típica pela frequência em que este instrumento aparece no material consultado.  Utilizei como fonte bibliográfica  o Dicionário de Percussão de Mário D. Frungillo.

ZABUMBA: nome dado a um tambor de 2 peles com aproximadamente 22 polegadas de diâmetro. O casco é construído geralmente em madeira. O instrumento é sustentado com um talabarte (tira) no pescoço do instrumentista, ficando inclinado. É tocado com uma baqueta de madeira na mão direita e um outro tipo de baqueta (chamada de bacalhau, açoite, maracá) na mão esquerda, tocando os contra-tempos.

TRIÂNGULO: barra cilíndrica de metal, dobrada em 2 pontos convergentes até que uma extremidade se encoste na outra, tomando a forma de um triângulo equilátero. A característica sonora do instrumento é de som metálico, agudo e de longa duração. As medidas mais comuns são entre 6 e 8 polegadas.

AGOGÔ: par de campanas de metal unidas por uma haste curvada na forma da letra “u” (ou “v”). Tocadas com baqueta de madeira ou metal. Mais modernamente é possível encontrar agogôs com 3 campanas. Tem origem africana, porém é muito difundido na música Brasileira.

SANFONA: instrumento também conhecido como gaita ou acordeon. É construído sobre um fole e composto de duas caixas harmônicas de madeira nas extremidades.

No exemplo a seguir apresento o ritmo do Baião no Cajon. No vídeo utilizei a sequência de mãos do rudimento chamado Paradiddle para criar a base de Baião.

Para baixar:

Partitura da música Baião – Luiz Gonzaga : Link

Partitura das linhas rítmicas do Baião (percussão): Link

Fontes:

DA CÂMARA CASCUDO, Luís. Dicionário do folclore brasileiro. Ministério da Educação e Cultura, Instituto Nacional do Livro, 1954.

HORTA, Carlos Felipe de Melo Marques. O Grande livro do Folclore. Belo Horizonte. Editora Leitura, 2004.

Abço

CONHEÇA TAMBÉM O IJEXÁ 

2 thoughts on “Ritmos Brasileiros: Baião

  1. Oi Marcelo como pedagoga musicista e educadora musical adoro o seu trabalho muito obrigado por enviar as suas novidades no meu e-mail um grande abraço.

Deixe um comentário